sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Greenpeace protesta a favor de energia limpa no Congresso

Na manhã desta quinta-feira, uma torre de energia eólica inflável de 25 metros foi colocada em frente ao prédio do Congresso, em Brasília. A ação, feita por um grupo de ativistas do Greenpeace, protesta em favor da votação do Projeto de Lei de Renováveis, que incentiva e regulamenta investimentos em energia limpa como eólica, solar, pequenas centrais elétricas (PCHs) e usinas de cogeração a biomassa.



Foto: GREENPEACE/DIVULGAÇÃO

A turbina artificial trazia estampada a frase “Energia limpa. Voto no futuro”, e ficou “hasteada” em frente ao Congresso a partir das 9h, onde dez ativistas permaneceram por duas horas. Houve repressão inicial dos seguranças do prédio, que tentaram rasgar o plástico do objeto inflável. “Estamos acostumados com esse tipo de repressão. Depois eles acalmaram e não encostaram mais nos ativistas”, conta Ricardo Baitelo, coordenador de campanha de energia do Greenpeace. No final da manhã, Baitelo protocolou o relatório “Revolução Energética” na presidência da câmara, estudo que mostra a viabilidade de energias renováveis no Brasil.

O PL 630/03, ou Projeto de Lei de Renováveis, é um texto proposto pelo deputado Fernando Ferro (PT-PE), espera há um ano e meio para entrar na pauta de votação dos parlamentares. Prevê, entre outras medidas, incentivos fiscais e subsídios para quem investe em energia limpa e a descentralização da geração de energia, em que os brasileiros, individualmente, pudessem gerar energia em suas próprias casas e jogar o excedente na rede elétrica.

“Não é um projeto fácil de ser implementado, mas abre caminho para beneficiar várias indústrias de forma limpa. Infelizmente, ainda há muita resistência ao novo: investe-se nas soluções energéticas de praxe, com esquemas prontos de quais indústrias e políticos vão tirar vantagem”, criticou Baiterlo, referindo-se à licença prévia para Belo Monte e à “tradição” brasileira em construir grandes empreendimentos hidrelétricos.

Jornal Meio Ambiente

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário